História

Author: Lucas F. Bittencourt / Marcadores:

Aerandir, um país repleto de raças e magia, inicialmente colonizado pelos Rivenos, uma raça muito antiga. Eles fizeram de Aerandir o local mais pafícico e propício à vida de todo o continente, o que atraiu imigrantes de todo o mundo. Os primeiros imigrantes foram os Elfos, que se instalaram nas grandes Florestas do Norte. Em seguida vieram os Humanos, que se espalharam pelo país. Os Anões, como não tinham muito reconhecimento, construíram cidades subterrâneas e entre as montanhas, e só ficaram conhecidos quando produziram e divulgaram a cerveja, que é a bebida mais consumida em Aerandir.
Porém, junto com os povos, vieram guerras, que quase extinguiram os Rivenos, foi então que surgiu a nescecidade de um acordo de paz que envolvesse todas as raças. Os Rivenos sugeriram a criação de três artefatos mágicos construidos pelos Humanos, Elfos e Anões, cada artefato representando uma característica específica de cada raça (A inteligência dos Humanos, a destreza dos Elfos e a força dos Anões), e seriam usados por um representante Riveno, tornando este um ser único, a união de todas as raças de Aerandir. Forão criados os Três Amuletos.
No início houve desconfiança e incerteza sobre o uso dos Três Amuletos juntos, que proporcionava um poder incrível, mas os Rivenos se mostraram determinados a cumprir com o acordo e, com o passar dos anos, foram reconhecidos e tornaram-se uma raça de confinça. E durante centenas de anos a paz reinou sobre Aerandir.
Quatrocentos anos se passaram até que foi chegada a hora de substituir o usuário dos Três Amuletos. Uma cerimônia foi feita com os Reis e Rainhas de cada uma das raças para conhecer o novo usuário: Cekkryus, o neto do primeiro representante. Mas, ao receber os Três Amuletos, Cekkryus sentiu o poder fluir em seu corpo, um poder inimaginável. Cekkryus se tornou o ser mais poderoso de toda Aerandir, mas o proposito de todo este poder era a proteção, a paz, a justiça, e não a ganância, a superioridade e guerra.
Durante muitos anos Aerandir foi tomada por trevas. Cekkryus se nomeou Líder de toda Aerandir e tomou toda a riqueza que pudessem ser encontradas. Mas, com a união dos Elfos e dos Humanos, foi criado mais um amuleto, porém de poder limitado. O Novo Amuleto foi usado pelo Elfo Dreanor, que derrotou Cekkryus numa batalha de dois dias e duas noites.
A decisão que foi domada ja era esperada: os Três Amuletos, ja que eram indestrutíveis, foram escondidos em templos protegidos por magia nas cidades mais ricas de cada raça. Os amuletos não seriam unidos nunca mais.
Milhares de anos depois, uma criança humana nasceu no sul de Aerandir. A gravidez de sua mãe foi indesejada, e logo após o seu quarto aniversário, ela fugiu sem avisar e o deixou com o pai, que não dava atenção e o maltratava. Aos 14 anos, Krygon fugiu de casa, e, ao ouvir as histórias sobre os Três Amuletos, decidiu reuní-los outra vez e usar o seu poder para fazer com o seu pai o que ele o fez durante anos.
Krygon passou 11 anos treniando magia e, ao completar o treinamento, quase perdeu a própria vida quando enfeitiçou toda a tribo de monges que o treinaram, prendendo-os numa maldição inacabável, tornando-os seus escravos, hoje conhecidos como Os Pardos, devido às suas vestimentas (robes e capuzes pardos).
Com o controle de toda uma tibo de magos amaldiçoados, Krygon conseguiu reunir os Três Amuletos e espalhou terror e miséria por toda Aerandir. Krygon sentia o grande poder e sabia que podia fazer e ter qualquer coisa que quisesse. A sede de vingança alimentava as vontades e os desejos malignos de Krygon. E então ele lembrou-se do seu pai. A principal razão de toda aquela maldade eram os mal tratos de seu pai para com ele, e, ao invéis de apenas tirar a vida dele, Krygon destruiu toda a a cidade em que crescera. E novamente, Aerandir ganhou um Líder maligno. Aerandir estava envolta de trevas.

1 comentários:

biscoito20 disse...

Vitória do mal em cima do bem. Parece que essa história tá virada. Melhor assim...

Postar um comentário